Pular para o conteúdo principal

PERDAS E GANHOS

Muitos podem ser os motivos das perdas que eventualmente ocorrem em nossas vidas: imprudência em nossos atos, imperícia em nossas atividades, nosso pecado, as consequências naturais de um mundo que jaz no maligno (1Jo. 5.19) ou até mesmo o plano de Deus.
É evidente que o Senhor não é o causador de nossos males nem de nossas perdas, pois bem sabemos que em Deus não há treva alguma (1Jo. 1.5) e que nEle somos mais que vencedores (Rm. 8.37), porém Ele pode permitir que algum dano ou alguma perda suceda em nossa vida para que dela resplandeça a vitória e o Seu nome seja glorificado uma vez que tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus (Rm. 8.28).
Vejamos a história de José para que possamos exemplificar essa verdade: José, filho de Jacó com Raquel (Gn. 35.24) a quem amava (Gn. 29.18), havia sido vendido aos ismaelitas por seus próprios irmãos, pois estes tinham inveja dele em virtude de ser muito amado de seu pai (Gn. 37.3) e por ter José tido sonhos reveladores que anunciavam a honra que ele haveria de alcançar (Gn. 37.5-11).
José foi vendido pelos ismaelitas como escravo a Potifar, comandante da guarda do Faraó Egípcio (Gn. 39.1). Por ter percebido que o Senhor era com José (Gn.39.3), Potifar o nomeou mordomo de sua casa e lhe deu poder sobre tudo o que tinha de tal forma que ele mesmo não era maior do que José na casa (Gn. 39.6-9).
Percebamos que para José, que por muito pouco não foi morto por seus próprios irmãos (Gn.37.18-21), foi jogado dentro de uma cisterna (Gn. 37.24) e vendido como escravo em uma terra estranha (Gn. 39.1), o ter se tornado homem próspero (Gn. 39.2) e administrador de todos os bens do comandante da guarda do Faraó, era de fato uma grande conquista.
No entanto, por ser um homem de boa aparência (Gn. 39.6), José foi desejado pela mulher de Potifar (Gn. 39.7). Mas José era fiel a Deus, e também a Potifar e recusou as insistentes investidas da esposa de seu senhor para, com ele, cometer adultério (Gn. 39.8-10).
Ora, aos olhos humanos pode parecer que, José que já era abençoado por Deus, após uma atitude de tamanha fidelidade, deveria ser ainda mais agraciado de bênçãos pelo Senhor e ser ainda mais coberto de honrarias pelo comandante da guarda de Faraó.
No entanto, O Senhor permitiu que a mulher de Potifar acusasse a José injustamente e ele foi preso. Após ter conquistado a simpatia do comandante da guarda do Faraó egípcio, ter se tornado um homem próspero e poderoso na casa de Potifar, perdeu tudo o que havia alcançado e foi parar na prisão. Parece algo injusto; e da parte dos homens de fato foi injusto, porém não da parte de Deus.
Aquilo que pareceu injusto na verdade era apenas a manifestação dos pensamentos que o Senhor tinha a respeito de José, porque os pensamentos dEle são mais altos que os nossos (Is. 55.9).
Ainda na prisão José alcançou simpatia do carcereiro (Gn. 39.21-23). No cárcere, José recebeu revelação de Deus (Gn. 40.8) e interpretou os sonhos do copeiro-chefe e do padeiro-chefe de Faraó que haviam sido presos (Gn. 40. 9-19) e, de fato tudo ocorreu como José havia revelado (Gn. 40.20).
José ainda passou mais dois anos na prisão (Gn. 41.1) até que, para que interpretasse um sonho de Faraó que nenhum dos seus magos e sábios conseguiam interpretar (Gn. 41.8), foi retirado da masmorra (Gn. 41.14).
Ao interpretar adequadamente os sonhos de Faraó, o filho amado de Jacó, demonstrou a sabedoria daqueles que são fiéis ao Senhor, pois bem sabemos que o temor a Deus é o princípio da sabedoria (Pv. 1.7).
Impressionado com tamanha sabedoria e reconhecendo ter José o Espírito de Deus (Gn. 41.38-39), Faraó nomeou-o governador sobre toda a terra do Egito e apenas no trono Faraó seria maior que ele nas terras egípcias (Gn. 41.40-44).
Os planos de Deus para José eram muito maiores do que a administração da casa de Potifar, o Senhor o queria governante geral da terra mais rica daqueles tempos. Mas para isso José precisaria sair da casa do comandante da guarda, precisava perder todas aquelas comodidades e passar pelas dificuldades da prisão. José precisava demonstrar sua fidelidade a Deus independentemente das condições e demonstrar que aqueles que O amam tudo podem pois Ele os fortalece (Fp. 4.11-13).
José perdeu para ganhar porque Deus permitiu dessa forma e assim nos ensinou que no conforto da prosperidade ou nas dificuldades da prisão devemos ter o nosso foco no olhar de Deus e não no nosso que só é capaz de ver a aparência (1Sm. 16.7) e termos a certeza que é Ele que possui os planos corretos para atingirmos o fim que desejamos (Jr. 29.11).

Gostou desta postagem? Comente, compartilhe, recomende. Utilize os botões abaixo para postar esse texto em sua rede social, colocar em seu blog ou enviar por e-mail para seus amigos. Ajude a divulgar a Palavra de Deus. 

Comentários

Compartilhe